sexta-feira, 27 de abril de 2012

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Arcanos do Vale: D&D Next [novidades do front]

Arcanos do Vale: D&D Next: No dia 9 de Janeiro de 2012, a Wizards of The Coast anunciou oficialmente o desenvolvimento da nova edição do D&D. Segue abaixo um "resu...

segunda-feira, 16 de abril de 2012

A Conquista da Desonra [Campanha Greyhawk. Tenh 591. 2012ad]



Primeiros dias do Mês do Urso de 591.
Os dias frios do inverno se esvaem. O Gelo e neve começam a derreter, os ventos conturbados da primavera surgem. A Xerife e seus recrutas se vêem em combate em meio as paliçadas apodrecidas do fortim quem encontraram em meio ao inverno. Os Orc e hobgoblins não cessam os ataques. Trazendo com eles horrendas criaturas. Arte Negra de Iuz e seus servos, os devoradores de gente. 
O embate no fortim é doentil, as ultimas reservas de forças se esvaem em meio aos estilhaços. Os golpes de Machados os perseguem. Revoltados e com ódios profundos investem contra o inimigo quase se jogando em suas armas. Uma grande batalha se dá naquilo que eles acreditam ser os dormitórios, mas a criatura de Iuz os perseguem.
Sacando sua arma e escudo em riste para o impacto o anão ignora as vanguardas inimigas, que por sinal não o ignora, e avança contra a criatura "bocas e dentes" em um corpo deformado como o de um ogro. Esquiva-se em arte marcial precisa de vários golpes dos machados orcs. A criatura monstruosa de Iuz passa para a morde-lo ferozmente. Sangue come a sair entre sua pesada malha, o anão quase se preocupa de ser prensado pelas mandíbulas monstruosas, seus companheiros em apoio o fazem mudar de ideia, já que eles não ficaram parados.
A xerife, ergueu o arco e o pequeno grupamento que estava em liderança e que ainda persistiam vivos acompanhou-a. Ceifaram a ala a esquerda de sua mira, os orcs foram picotados na ação. O lamina arcana hostilizado pelas tropas pelo envolvimento com as artes macabras, avançou a frente forçando os orcs compensarem a desastrada perda de coesa da linha e por consequência pesadas baixas.
O anão se safara matando a criatura com golpes letais e certeiros. Liberados pelos os francos passaram a pressão no remanescente da força orc. Rapidamente, para alegria do anão, eles foram debandados e derrotados.





Sétimo dia do Mês do Urso de 591.
Repassando o relatório as forças de defesas de Tenh, que tristemente recebidos com frieza, deram-se conta da desoladora questão da investida de uma horda orc que estava a caminho. Isto devido as informações e "cartas" militares que obtiveram dos espólios dos orcs. Que horrores estiveram planejando. Aceitaram uma missão peculiar de construir uma grande paliçada de proteção. Ávidamente se puseram ao trabalho, apesar do cansaço latente e visível , trabalhar em meio a lama era por demais animador para eles. Deixando o inverno para trás era de uma alegria perceptível para a maioria das tropas de Tenh que estavam abatidas e apáticas quanto a qualquer a ação. Havia um prazo e a horda orc se aproximava. Para surpressa de todos os prazos foram cumpridos antes do prazo, antes mesmo de qualquer alerta sobre os orcs. As trincheiras hobgoblins se aquetaram desde o começo do fim do inverso. A apreensão geral não afetará os "construtores" que finalizaram os rebites da paliçada. 

Um mês de atividades tinha se passado, e recompensados com uma quantia de 1000 peças de ouros, em que dividiram rapidamente. Se puseram a chafurdar o "mercado" de possibilidades e a atazanar o ferreiro do clã Thornhelm. 'Necessidades' privadas por meses duras de inverno viraram um represar muito incomodo para os ávidos combatentes. 

Sétimo dia do Mês do Leão de 591.
A horda orc invadia! Em sucessivas levas e urros macabros. Preparados, já habituados aos combates nas trincheiras, esperaram o inimigo se por ao que consideravam alcance. A primeira dezena deles investiam correndo, quase ignorando as infinitas possas de lama. Os soldados se puseram a frente, a xerife se pôs ao lados deles enquanto esperavam o impacto. Impacto aterrador se espalhava pela linha, dando certeza a todos de mais um combate na linha Noroeste. A xerife exitou e recuou para junto do grupamento de arqueiros. Não vislumbrou que os guerreiro a vanguarda simplesmente seriam superados rapidamente, em numero ao menos, e deixou exposta duas grandes aberturas na linha, pois atacara ao centro tentando dar cobertura aos guerreiros mais esquecendo a questão Tática imediata, qual lhe custou cara. 

Os guerreiros se puseram ao embate, segurando com escudos e lâmina mistica os golpes das clavas. Por todos os lados os orcs inimigos se puseram a ataca-los. O "lâmina" não soube conter o inimigo, deixando exposto a frente da linha, que só conteve algo pois estava vivo e os orcs queriam por fim a essa situação. O anão também se contagiou pelo medo ou apatia do choque que acometeu o "lâmina", mas tentou compensar isso dando golpe amplos para atingir mais inimigos, o que foi de ajuda para ele no instante posterior. 

Os Orcs que passaram a linha de guerreiros encontraram os arqueiros e como esperado os mataram, a xerife se viu cercada. Mas graças a sorte ou aptidão pode conter a tempo os agressores que se viraram a ela depois de seus assassinatos. 
Mais inimigos se puseram a seguir contra a xerife. O anão limpou a área da ameaça a sua esquerda se posicionou mais ao centro, contendo o avanço do inimigo que ia em direção a xerife, mas continuou a faze de modo apropriado, para a sorte dele os golpes amplos fizeram efeito. O decepcionante lâmina ficou a frente no impasse de esgrima e contragolpes e golpes de clavas inimigas.
Ao custo de sangue que se mostrou crucial posteriormente. Derrotaram cinco linhas de orcs inimigos. 

O pior estava por vir, o lâmina fora atingido e ficou inconsciente, a linha estava amplamente desprotegida. Ele fora levado as trincheiras. A xerife e o anão seguiram a batalha de criaturas infernais que surgiam a frente, bolas enormes de altura de cavalo de batalha, rolavam devorando os corpos de orcs e aliados abatidos. Em direção a escassa a defesa, as bolas massivas de corpos estraçalhados começaram a atacar tentando engolfa-los como num engolir de uma vez só. Uma das bolas fora alvejada precisamente pela Xerife. Liquido negro e podre começou a vazar da criatura! Isto não a impediu-a de tentar sufocar o anão pelo menos por umas três vezes.

O anão debatia-se e golpeava de raiva violentamente. A outra bolha perseguia a Xerife, que corria disparando as setas. A bolha que tentava engolir o anão estourou em vários pedaços e de quase pus e com vários pedaços decepados de vários corpos escorrendo de sua gosma pútrida. A perseguição a xerife continuava. Com sucessos para a bolha de maldade que a caçava, pseudópodos enormes de grossura de mastro cheias de pus paralisante a engolfava, fazendo a se contorcer e se paralisar, ela escapou disso duas vezes, a quase cinquenta metros dali, o anão se pôs a toda velocidade para caçar a criatura. Mas a bolha raptara a xerife arrastando-a inconsciente. 

A covardia e medo latente do anão ao ver tamanha aberração petrificou-o em qualquer ação. Covardemente se pôs a correr as trincheiras. 




[Mais no próximo capitulo]

sábado, 7 de abril de 2012

Dungeon Compendium: 3 Anos Sem Dave Arneson

Dungeon Compendium: 3 Anos Sem Dave Arneson: Dave Arneson (1947 – 2009) Hoje fazem 3 anos que faleceu David Lance Arneson , o co-criador do D&D, idealizador dos clérigos e autor do p...


Dave Arneson (1947 – 2009)
Hoje fazem 3 anos que faleceu David Lance Arneson, o co-criador do D&D, idealizador dos clérigos e autor do primeiro de todos os cenários de campanha, Blackmoor.
Apesar de frequentemente menos lembrado do que Gary Gygax, todos devemos muito ao talento e criatividade desse cara. Que ele esteja feliz cavalgando dragões lá no céu.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Conduta do Dever [Campanha Greyhawk. Tenh 591. 2012ad]




Vigésimo Sexto Dia do tigre de 591... 

Recompondo sua equipe, Celty a elfa se juntou a um guerreiro que vagava ávido nas trincheiras, queria ele butim. De que, não se sabe? O guerreiro Tor olhava com desconfiança e talvez uma altivez invejosa para Celty, a estranha elfa que na trincheira queria montar um grupo para a vanguarda, nem uma oficial era ou muito menos comandante. A fim de seguir sua ganancia, Tor decidiu segui-la, bem de perto nessa empreitada. Reencontrando um aliado, o lâmina arcana distraído, mas com alguns fundos, buscaram os três aliciar 'mercenários', alguns do clã tate e de skaw aderiram. Um blasfemador de armas em punho, de nome Plac, provavelmente Skaw, seguiu a contragosto sua parentela 'mercenária'. Resmungava mais que uma mula velha, mas muito mais por indolência.

O distinto e estranho grupo, destacou-se das linhas de Defesa do Ducado, e foram dar combate ao inimigo. Mais uma marcha forçada exaustiva a neve, a quem iria cansar primeiro no embate? A iniciativa de Celty, alguns diriam temeridade ou imprudência, seguido pela avidez de Tor, renderam louros. O pelotão inimigo fora pego ainda na marcha, as setas certeiras destacavam uma brecha na linha inimiga, logo aproveitada pela carga dos guerreiros que golpeavam a cabeça os inimigos que a reação mínima caiam as moscas. Logo vinte deles cairam em combate. A linha do Ducado se surpreendera mais uma vez pela audácia daqueles filhos de Tenh.

Logo se puseram a caçar o Porta-Estandarte e Sargento de Armas do inimigo, para continuidade do espanto das defesas Tenh. Com mais 20 grupamentos daqueles quem sabe debandariam os inimigos para o rio Zumker em poucas semanas. Mas é claro, isso era apenas os afagos mais distantes das esperanças das Defesas do Ducado. Mesmo assim o embate fora belo de se ver, ao menos para os Tenh. O Sargento e porta-estandarte foram logo postos em xeque. O desdém do inimigo era sentido de longe, em suas gargalhadas vis frente ao furioso inimigo e sua marcha cadenciada. "Esses Maltrapilhos jamais ousariam desafiar assim os Fortes e Magníficos de Iuz!". Com certezas cogitará isso o sargento inimigo. Para Celty, de frio coração e setas gélida, golpes ao inimigo foram decisivos para lhe prostar a moral, a tempo dos guerreiros destroçarem as guardas e porem em riste a lâmina do Hobgoblin. A presa estava ali. O Sargento gritara em sua língua blasfêmias e os apontavas, fez um sinal definitivo de seu ódio. Mas pelo visto havia seres com mais ódio. Golpeado as costas e flancos e a frente picotado pelas setas que ainda estavam bem fixas em seu tronco, tombara, levando consigo um olhar inenarrável de descrença.

Antes isso fosse tudo que o inimigo espera-se naquele dia. Avançaram a todo pique e adrenalina que os preenchiam para um segundo pelotão, ou segunda metade deste. Avançaram sobre tropas reunidas e seu sargento. Se já fora temerária atacar comedidamente antes, quanto mais agora. Os dous inimigos se puseram em carga, mas só um lado sofreu graves ofensas. O Plac avançou e viu-se cercado. Tão logo teve seus flancos perfurados, o sangue lhe saltaram os olhos e corria a neve. De fato fora preocupante. Tor logo atrás avançou um pouco e também se viu cercado, mas sua pericia militar era melhor e não teve o flanco perfurado. Se fosse só isso os inimigos em pouco teriam os superados. O Problema foi Celty e seus aliados a um pouco atrás. Ao alcance para despejar cadenciada sequencia de tiros ao inimigo. Decisiva brecha se fez ao abater dois inimigos. Provavelmente a moral e impeto cairam, e as forças de Tenh deram inicio ao massacre. Aos gritos o Sargento inimigo tentou contornar e decapitar Celty. Golpe a golpe tentou avançar pelos guerreiros. Mas as forças de Tenh estavam decididas, embora Plac tenha caído inconsciente ao golpe dos soldados inimigos, o serviço de execução fora concluído.

Aproveitando toda adrenalina que lhos restavam, puseram-se a construir um posto avançado ali onde chegaram. Levantaram um estandarte caído de tem, cavaram trincheiras, fizeram estacas, e puseram os troncos em disposição para defesa. Um feito notada pelos Cavaleiros. Celty galgou com isso o posto de Xerife. Reforçando o local com uma guarnição contratada a soldo próprio com os espólios obtidos.

Vigésimo Oitavo dia do Tigre...

Seguiu a Xerife rumo ao sul, a traiçoeira estrada que lhe incomodava a mente. Sua vingança ardia e contaminou todos os seus aliados. Além do desejo maior de pilhagem destes. Caçar os Orcs e Hobgoblins que lá assolavam e lhe trouxeram lembrança doida da derrota.

Chegando lá depois da marcha de trajeto daquela manhã fria, surpreenderam-se com a Audácia dos Orcs de levantarem paliçada tão próxima a estrada. Adentraram ao Fortim das trevas, e puseram a chegar próximo da entrada do fortim, o perímetro exterior estava vazio. Os gritos do auto-intitulado-batedor Plac, que fora incendiado pela defesa do inimigo, que usaram insetos de fogo. Os arqueiros puseram a picotar a cabeça da criatura com suas setas, uma primeira desabara. Plac se pois a engajar uma segunda. Que também se pois a defender com fogo tenebroso. Para sua própria incredulidade Plac caíra duas vezes na mesma armadilha e ainda não acreditava. Uns três Orcs se puseram a fustiga-lo. Tor finalmente chegara a distanciada posição e pôs-se logo ao engajamento. Um Orc fora abatido pelos arqueiros e Celty. Mas o trabalho de tentar salvar Plac da morte certa, bem como a si mesmo, coube a Tor. Puderam separar os Orcs restantes dividindo os golpes com o auto-proclamado batedor. Golpes e contra-golpes diversos se seguiram e mantendo-se firmes, deram tempo suficiente de Celty chegar. Pois a Paliçada impedia de se ver o que estava acontecendo. 

Tiros certos e espadas ferozes puseram fim a resistência furiosa e continua daqueles orcs. O Plac deitara atordoado ao chão de soco que lacerou-lhe o rosto. Recuperados em folego, e do "pequeno incidente lacerante". Adentram a construção de madeira 'e gelo'. A guarnição inimiga já se preparava para o embate. Porta adentro, setas e projeteis voaram para todos os lados. Um Orc cruel e de volumoso corpo se aproximava aos Urros para golpea-lhes com Grandioso Machado. Arrancando lascas e farpas enormes a cada golpe, lançava detritos e farpas a todos os lados. Mais sinistro era o Orc vestido em seda vermelha que com olhar de trevas parecia  comandar o bruto. Cercado pelos guerreiros, o Orc em seda Vermelha os derrubava com poder da mente, outra bruxaria diabólica. Os guerreiros golpeavam violentamente e sempre eram retardados pelo poder das trevas daquele Orc. Celty, saltava e atirava enquanto o volumoso Orc golpeava e estraçalhava todo o local de madeira atingido. Celty vingativamente atingiu o Orc em seda vermelha, novamente celty abrirá brechas nos embates e que os guerreiros, para lastima do Orc, souberam usar. Golpes repetidos a barriga e cabeça, esfacelaram o Orc em seda vermelha. 

Isto para alivio geral dos guerreiros que estavam a ficar exaustos e por demasiado feridos. Logo os três facilmente obliteraram e eliminaram o Volumoso Orc que ainda erguia seu perigoso machado que aos três já tinha feito ferimentos preocupantes. A vitória finalmente deu sua graça. A questão era a sinistra porta adiante...