quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Um Bom Ano Novo!

Um Bom Ano Novo e Muitos Dragões para caçar a todos hereges  jogadores de RPG!!!!



kkkkk para vcs seus zueiros kkkkkk

terça-feira, 24 de novembro de 2015

sábado, 18 de julho de 2015

PDF do Accursed já saindo!


Financiadores já estão recebendo o email para o pdf do Accursed, saindo quentinho do caldeirão das bruxas!

Pequena Prévia, se é que posso me atrever a tanto (xD) :





'Tretas' sinistras os esperam!

http://www.kickante.com.br/campanhas/accursed-savage-worlds


terça-feira, 7 de julho de 2015

Accursed: A poucos reais da meta


O livro do cenário Accursed a poucos reais de desembarcar com capa dura por essas bandas. Quem já recebeu os livros de Deadlands já pode ter um expectativa de novo cenário que desembarcar aqui no Brasil. A chance de aumentar sua coleção de Savage Worlds ai esta posta. E para aqueles interessados em novos cenários eis a oportunidade, se seguir os mesmos moldes de Deadlands nesse quesito, não terão problemas em transpor o cenário para o sistema que usem. 

A Caça as bruxas começa! Ou em alguns casos é melhor correr que la vem as bruxas e seus exércitos das trevas. Cabe a vocês heróis libertar esse mundo aprisionado em trevas!


Eis o link do financiamento acima.

terça-feira, 23 de junho de 2015

As forças Imperiais deslocarão-se para o fronte em Aracaju!


A Corpo Imperial avançará para as posições neste campo de Batalha, ao dia 28!
Junte-se ao Império!

terça-feira, 7 de abril de 2015

Manobras. Sim! Uma coisa menosprezada...

Patriotas e Combatentes,
Venho propor esse ponto. Manobras: Uma coisa desprezada.

Claro que isso não é universal, nem genérico, mas um ponto que encontro por essas bandas e é uma coisa bastante ignorada: Manobras. Mas que diabos quero dizer com isso? É sobre talentos, combos megafôdonicos? Não!
Ué? Já considerarão alguns... O trabalho em equipe de fato, mais tático é verdade, que alguns grupos simplesmente ignoram. A depender do sistema, pelo simples fato de uma classe ser nicho. Parecem um bando como do 'desenho de caverna de dragão', que sempre estão tentando entender o que são do que trabalhar as possibilidades táticas. Alguns sistemas já favorecem isso, mas em nicho. Com isso digo, que em uma situação o grupo não trabalha com o especialista para alcançar um resultado ou objetivo, mas eles deixam, como dizemos por essas bandas que o especialista "que se f*#@!" para resolver. Se ele o jogador não conseguir solucionar, nem que seja pura sorte de dados, este não sabe "interpretar" ou "jogar com.." e fica nisso e toda uma campanha pode ser empacada por causa de uma mancada do grupo que recairá sobre um jogador 'azarado' ou mesmo para o Narrador/Mestre em questão. E não é por falta de orientação e idéias que venham em livros de rpg e ou suas aventuras, em suas vezes, ou mesmo falta de suplementos ou orientações iniciais (até mesmo em descrição da classe, ou a classe, a exemplo de 4ed D&D, mesmo em seu estilo próprio).
O grupo não se interessa, de alguma forma, em se planejar para eventualidade. Menos vistos em "hard" Old Schools de verdade,kkkkk. Muitas vezes, creio, que jogadores tendo a influencia de rpgs rasteiros online, só querem "bater e uppar" ou de alguma forma pensa que é Diablo ou suas variantes ou é um Dota/lol da vida (não que esses jogos sejam ruins ou qualquer que seja a crítica. Mas essa perspectiva que se leva ao jogo de mesa. Ou falta de perspectiva).

A exemplo de literatura, a quem se interessar, temos as aventuras de Sharpe. Cada um tem sua função, e o personagem, como em qualquer coisa esperada, um dá as ordens, um atira, um é o combatente. Mas se cada um fizer o que der na telha, olha que tem partes assim lá kkkkk, é um caos.
Manobras previamente estabelecidas (negociadas) no grupo pode salvar um grupo de TPK, e outras coisas ocasionais, ou mesmo maldosas planejadas (uheueheuhe). Como disse Sharpe (Tentando lembrar aqui, mas aproximadamente): "Uma tropa treinada aguentar a pressão e vence o medo, que um grupo de camponeses juntos em cima da hora não poderia suportar".
E muitas vezes é isso que acontece com um grupo que não tem experiencia, ou não tem idéias, não suportam, uma simples investida de um grupo de orcs (exemplo). Ou o grupo debanda, quando o guerreiro cai, etc.. Não que algumas vezes isso não salve o grupo, mas há uma grande diferença de não ter certa fibra de uma ocasional catástrofe, que o diga Aragorn lá aguentando as pontas com a queda de Gandalf em Moria...


É isso ai, o mago fod00 caiu e agora? A equipe debanda ou continua? Isso numa catástrofe grave... Mas se se puder remediar isso com manobras táticas, numa ação corriqueira? Não tanto quanto os dilemas da sociedade dos anéis quando cercados pelos Uruk-kais e da morte de Boromir. Havia manobras que se tinha até talentos, ou talentos das armas que podiam ser usados em D&D 2 ed e 3etc ed. Agora no 5th D&D, há o mestre do escudo e do Polearm que podem ser usados em conjunto ou outras estrategias para manobras.
Citando Sharpe, "Nada mais assustado que uma Infantaria Compacta de Veteranos, ..., despejando salva de tiros em exércitos despreparados" (não são as palavras exatas, mas por ai).

Narrador/Mestre leve isso em consideração, e 'treine' seus 'recrutas' assim que se fizer necessário se a campanha se pré-dispor a tais coisas. Você Veterano, treine seu novato, nem que seja no Intimidar (Citando Harper da Série Sharpe, heheheh), para certas eventualidades, ou manobras para ações, seja elas físicas, mágicas ou politicas (Log Horizon fellings kkkkkk)...



P.S.: Sean Bean não morre na série Sharpe, mas apanha! xD





sábado, 14 de fevereiro de 2015

Carnaval, como festivais afetam a campanha.



O Carnaval é um exemplo, imediato, de como paralisar as funções e andamentos comuns de uma cidade de campanha - a comum medieval, renascentistas,.. usuais em jogos de d&d, old dragon e outros que usem a temática. E com ajustes outros cenários e temáticas também.
Considerando as origens, de festividades pela colheita, ou evento religioso a baco-pan, ou festividade para espantar os maus espíritos, etc... Pode ser levado em consideração ainda a ânsia normal de sair do cotidiano maçante e repetitivo, considere ainda que em muitos lugares antes do cristianismo legalizado pelos imperadores romanos, e bem depois com os reinos cristãos "pacificados" o suficiente após o fim do império, não havia esse negocio de 'fim de semana e tempo para relaxar e desestressar', isso é: a vida do camponês era só trabalho, e depois ter uma quantidade de tempo para trabalhar na terra do senhor. Isso ainda se não fosse servo, escravo, ou ter vendido a sua vida para pagar dividas [etc... etc de modalidades diversas que significavam uma só coisa- o cara tinha que trabalhar até a morte e pronto].
Considere que essa festividade tem o apelo anual de estar livre disso tudo, mesmo que durante um dia ou uma semana. Achas que isso não teria impacto? Nem a Igreja medieva e Senhores feudais conseguiram suprimir, eis que temos isso até hoje.

Qual o impacto disso em um reino em sua campanha? Qual o impacto nisso em reinos de fantasia? Seria que os dragões dão trégua e vão para uma revoada anual e não há em consequência disso nenhum ataque? Seres da floresta se reúnem a colheita e há interação na hora de compartilhar bebidas [Pã?] ? Ou o festival do tolo em que um é aclamado rei e recebe a investidura temporariamente e tem como consequência disso total autoridade, inclusive para perdoar criminosos? Qual a consequência disso se tal autoridade recair sobre o lacaio do mal? Ele soltaria o líder dos inimigos do reino? Seria um festival religioso que envolveria curas mágicas? Atraindo uma multidão de peregrinos que estariam vulneráveis a toda sorte de crimes e perigos. Uma oportunidade para uma ordem de cavalaria surgir. Ou as defesas ficariam vulneráveis devido a distração e a horda aproveitaria para causar os maiores massacres. Ou ainda o reino não poderá entrar em guerra nem mesmo para se defender durante o período de festividade (Espartanos?).


Considere ainda a oportunidade para Bardos, ladinos, e demais classes interessadas em certos tipos de festividades. Oportunidades tais, como estar entre os seus, alivio entre espaços complicados da campanha, um momento para adiar o aumento inflacionário de metais que aventureiros podem causar em certas comunidades (sim, kkkkk). Bem como uma distração de personagens para certos eventos que possam acontecer durante a festividades, como acima assinalado, soltar aquele npc fdp da prisão temporária ou execução que aconteceria em data posterior (kkkk - "Nãooo! O lorde das trevas fugiu!" kkkkk). Bem como consequências mais mundanas como bastardos ou herdeiros 'inesperados' em nove meses ou depois de 15 anos (ou mais) que voltam para assombrar, ou serem dadivas de esperança na hora mais tenebrosa -nunca se sabe, para aquele personagem mais "saliente"...



sábado, 7 de fevereiro de 2015

Quando a diversão acaba. E alguns não assumem suas responsabilidades...

Quando tópicos diversos aos mundos de RPG forçam a entrada por causa de agenda de alguns (Sim isso mesmo...) e não por absorção natural de novidades ou fatos da realidade, ai você fica preocupado. Para que isso?
É normal, e esperado, que as pessoas levem seus gostos, hábitos, etc, eles mesmos ué, para as mesas de jogos. Mas se isso incomoda o grupo e causa problemas ao grupo, ou a uma pessoa ostracizada (ou coisa diversa). Isso é de responsabilidade dessas pessoas resolverem. Alguns livros de rpg trazem as ressalvas e os avisos como proceder na medida do possível essas dinâmicas de grupo. Inclusive vistos em manuais de eventos, e organizações de rede de jogos, como há (ou houve) em Pathfinder, rpga, até as antigas redes de live de vampiro (pode vasculhar e vc encontrará esses manuais gratuitos para jogos 'de rede', ring, live, events, etc...).
Há procedimentos comuns, como advertências verbais, conversas em separados sobre a condutas erradas e a retomada de atitudes positivas, a cada ethos de cada jogo e como seus organizadores o conduzem. E sempre há, o que para lojistas e vendedores diversos é o pior, a remoção do individuo problemático. Sim expulsão mesmo. É como diz o velho conselho geral desses livros, manuais, eventos etc. apartai. Isso é rpg, não clube de auto-ajuda, psicologo, ou mesmo aparato policial para lidar com isso. Se for necessário aconselha-se sim contratar um advogado ou chamar a policia (como um famigerado ato que aconteceu em evento da rpga em Nova york - o único ato infame registrado, espero que continue o único nesses novos eventos mundo afora).

Normal por o papo em dia. Agora a uma linha clara que não se deve ultrapassar. E é de responsabilidade de todos, e seus organizadores que se põem em responsabilidades maiores, não ultrapassar.

A liberdade da minoria Ultima, o individuo. Ai daqueles que a f*$@%@! O mundo moderno é cheio de mecanismos para lidar com isso. Respeito e Responsabilidade é tudo. Rpgistas não precisam de AGENDA de subsubsubcelebridades para lidarem com isso. Assuma-na sejam morais e não relativistas quanto a isso para não precisarem de babás para lho disserem o que pensar [ou vc acabará em uma Agenda que não é sua e de seus costumes].
Imaginem que horror todos serem obrigados a jogar a um só sistema e a um só cenário, e a interpretarem um só personagem concordante com a Agenda... O mundo real já está cheio de mimimi multiculturalista e politicamente correto para isso. Cadê sua liberdade de fazer o que vc quer no rpg? Não se deixe apanhar! Sejam Diferentes! Sim diferentes (e apresentem-me novidades desse mundão estranho e diversificado do rpg! xD )