quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Pequenas Esperanças Esquecidas... [Campanha Local]

Esperanças esquecidas...




Havendo de continuar os afazeres, meditamos sobre esses tempos. Uma leva de criaturas estranhas e aliados inesperados nesse campo de batalha que tornou-se a muito o Tenh. Vimos mercadores, no mínimo determinados, vindo de distantes léguas destes tempos de guerra. Parece-me sim que as liberações das fazendas ao sul e das batalhas em sua velha estrada deram inesperados e proveitosos benefícios. É clara a aliança com os cidadãos de Phostwood, que não tem mais sombra de dúvida de quem são seus aliados. Um fluxo de frutos e outras coisas advindas da floresta, bem como cereais e farinhas de distantes recônditos chegaram em suas sacas e abastecem o mercado, ávido, local. Sem duvida motivo sem o qual os traidores não se revelariam.
Acusações graves foram feitas contra as verdades constantes da situação de Redspan, esses traidores revelaram a si mesmo tão descomedidamente que a surpresa foi geral. Vergonha ou talvez receio claro de suas próprias exposições que passaram correndo para as linhas inimigas. Vergonhosos e traidores. Nisto alguns deles conspiraram previsivelmente e foram ter em contração de orcs errantes para seus malefícios. Os mercadores em Redspan já a muito passaram de indefesos comboios que subiam e desciam a estrada despreocupados. 
Nisto a Companhia da Cerva andante já estava de olho nas 'atividades' má intencionadas de alguns nas vielas e becos não tão esquecidos assim. Atentos seus agentes observavam, dentre eles o pequeno e inquieto halfling que se precipitara rumo a taverna. Observou atentamente a entrada do Sátiro a taverna, inquietou-se, quase furioso, sentou-se perto do sátiro e o encarou. Quem sabe o que pensara naquele momento de confrontação, o Sátiro ficou curioso com a 'pequena' agitação e o convidou para a bebida, bebedeira alguns diriam, mas não obteve nenhuma resposta a não ser os pequenos pés peludos a balançar, já que a cadeira para o halfling era um pouco alta, e a inquietação  Preferiu o sátiro a ignorar a pequena ofensa e voltar-se a seus afazeres, como vender sua carga afinal.
Havia trabalho a ser feito, para o sátiro isso incluía três jarras de cerveja para começar. Um jovem fada de Phostwood chegará, observava a taverna e resolveu adentrar, observou alguns minutos percebeu a perturbadora inquietação do Halfling, e seu passear pela taverna, nada discreto é verdade. Quando o halfling saiu para um beco, a fada o acompanhou desapercebida do halfling, desconfiava que este halfling era um perverso ladino, mas o halfling perceberá algo, estranho. Criaturas encapuzadas falando com um humano de capuz preto, o halfling se escondeu e esgueirou-se até próximo para escutar o que diziam. Sim, traidores! O Humano conspirava para destruição do 'canto do amigo' e roubo ou destruição de toda carga que houvesse lá, confirmara o ataque para logo a noite. O halfling preparava-se para o caso na taverna então, mas espiando pela janela a chegada da noite.
Neste momento a jovem fada encaminhava-se para a guarnição em Redspan, sentia-se em meio estranho, e de fato o era, adentrou a guarnição e foi em direção a um sargento. Contou do ocorrido ao sargento, e uma guarnição acompanharia para deter esses criminosos, esperariam a noite então. Os guardas e a fada voltavam para estalagem para a espera.
Enquanto isso o Sátiro questionava o taverneiro onde venderia os produtos que tinha, uma breve conversa, já que o sátiro estava a preocupar-se com a atendente. Fora a feira e vendera suas sacas de produto, e depois fora ao canto do amigo atrás de algumas coisas, o halfling suspeitava disso e observou. Quase uma hora de conversa e o carregar da carroça por fim, o halfling quase ataca o sátiro por isso, mas esperou a noite para pega-lo em flagrante, ele assim deveria estar pensando. Nisto o halfling, os guardas e a fada se viram compartilhando de mesma missão. O Halfling ainda preferia agir sozinho, pensamento que rapidamente alterou quando a confusão se abateu no canto do amigo, seguindo o exemplo da fada manteve posição em cima da taverna e observou o inicio do embate, a gangue que controla o canto do amigo entrou em franco combate com os invasores, o halfling e a fada passará a atacar os traidores e orcs invasores com suas setas e flechas.
O conflito foi cruel e rápido, a gangue do local não esperava nada tão audacioso dentro de seu território mas, o inimigo fora debelado, o acólito de nerull enchia a carroça com os corpos enquanto a fada e o halfling colhiam pistas, os guardas verificavam a área. Nenhum incêndio. Tudo estava a salvo por hora.